Namazu, O causador de Terremos

Namazu, o causador de terremotos, segundo a mitologia japonesa
Segundo um folclore japonês, o responsável pelos terremotos é um bagre gigante chamado Namazu ou Namazu-e (o segundo termo refere-se às xilogravuras de Namazu) que vivem em tocas subterrâneas. Namazu é considerado um yo-kai (que pode se traduzir como “monstro”), ou seja, uma criatura do folclore ou mitologia japonesa que estão associados à desgraças e/ou desastres.

O Namazu, segundo a lenda japonesa, ao mover a sua cauda, é capaz de tremer todo o planeta, causando muitos estragos. Antes dele, os terremotos sempre foram associados à movimentos de divindades ou criaturas que moram embaixo das ilhas japonesas, como dragões ou serpentes. Com o passar do tempo, o Namazu foi substituindo essas criaturas e divindades no imaginário popular.
As xilogravuras (ukiyo-e) eram famosas no Japão entre os séculos 17 e 19 e Namazu foi tema de diversas delas. Em muitas gravuras, ele aparecia como metáfora da redistribuição de renda, uma vez que, após um terremoto, os mais abastados dividiam sua riqueza com os pobres para a reconstrução do local onde viviam.

Namazue, O causador de terremotos. - Mitologia japonesa contada por xilogravura.

Namazue, O causador de terremotos. – Mitologia japonesa contada por xilogravura.

Quando um Grande terremoto Ansei atingiu Tóquio, em novembro de 1855, matando mais de 7 mil pessoas e causando uma grande destruição, a responsabilidade pelo desastre foi atribuída ao bagre gigante, como de costume. Neste período, as xilogravuras Namazu-e (ukiyo-e) se popularizaram rapidamente e em poucas semanas, já eram mais de 400 tipos disponíveis.
A popularidade do Namazu-e foi sobretudo uma resposta ao terremoto Edo e tentavam retratar os “aspectos positivos” como a redistribuição da riqueza, além de ser uma maneira de levantar a moral dos sobreviventes, que acreditavam que ao andar como um Namazu-e, estariam protegidos contra outros terremotos.

Terremotos, trovões, fogos e pais: Este ukiyo-e também faz referência ao japonês velho ditado, “As coisas mais assustadoras são terremotos, trovões, fogos e pais.” Aqui, um namazu e os deuses do trovão e fogo discutem seus poderes durante um banquete, enquanto são observados pelo pai.

Terremotos, trovões, fogos e pais: Este ukiyo-e também faz referência ao japonês velho ditado, “As coisas mais assustadoras são terremotos, trovões, fogos e pais.” Aqui, um namazu e os deuses do trovão e fogo discutem seus poderes durante um banquete, enquanto são observados pelo pai.

Namazu também foi usado como forma de satirizar a aristocracia japonesa e por causa disso, dois meses depois, o governo de Tokugawa, que mantinha um rígido sistema de censura sobre a indústria editorial, proibiu a produção das xilogravuras. Hoje existem muito poucos originais dessas xilogravuras Namazu-e.

Vítimas do terremoto vingam-se do bagre gigante responsável pela destruição: Nesta xilogravura, Namazu, que representa o terremoto de Edo (atual Tóquio), em outubro de 1855, é atacado por camponeses e concubinas.

Vítimas do terremoto vingam-se do bagre gigante responsável pela destruição: Nesta xilogravura, Namazu, que representa o terremoto de Edo (atual Tóquio), em outubro de 1855, é atacado por camponeses e concubinas.

 

Segundo a lenda, o terremoto de Edo, coincidiu com o “mês sem deuses”, onde se acredita ser um período em que todos os deuses se reúnem em um templo secreto. Aproveitando-se da ausência de Kashima, o covarde Namazu causou destruição e sofrimentos no mundo humano.

Namazu e a rocha kaname-ishi: O único que consegue dominar a fera Namazu é o deus Kashima, usando uma grande rocha conhecida como kaname-ishi (Pedra fundamental). Porém, certa vez Kashima saiu da cidade, deixando Ebisu (deus da pesca e comércio) no comando.

Namazu e a rocha kaname-ishi: O único que consegue dominar a fera Namazu é o deus Kashima, usando uma grande rocha conhecida como kaname-ishi (Pedra fundamental). Porém, certa vez Kashima saiu da cidade, deixando Ebisu (deus da pesca e comércio) no comando.

Durante sua vigília, ele acabou dormindo, dando a deixa para Namazu escapar. As moedas de ouro que caem do céu nesta xilogravura, simbolizam a redistribuição da riqueza durante a fase de reconstrução. Só não me perguntem porque Raijin, deus do trovão, do lado esquerdo da gravura, está defecando… Será que vem daí o bordão “Tô cagando e andando”?

Namazue, O causador de terremotos.

Cabo-de-guerra entre namazu e o deus Kashima: Esta xilogravura mostra uma espécie de cabo de guerra” e Namazu com o deus Kashima. Do lado de Kashima, vemos as vítimas do terremoto, enquanto ao lado do bagre gigante, estão aqueles que normalmente lucram com os terremotos (trabalhadores da construção civil, bombeiros, editores de notícias, etc).

Namazue, O causador de terremotos.

O primeiro Namazu-e: Produzido dois dias após o terremoto, este trabalho dos artistas Kyosai Kawanabe e Kanagaki Robun é considerada o primeiro namazu-e, e faz referência ao Teatro Kabuki, muito popular na época, inspirou a criação de muitos outros namazu-e que vieram posteriormente.

Namazue, O causador de terremotos.

Método mágico de proteção terremoto: Este Namazu-e mostra um momento de redenção por parte dos Namazu, que é quando um grupo deles se curvam diante do deus Kashima, se desculpando pelas destruições que causaram enquanto ele estava fora.

Namazue, O causador de terremotos
Família Namazu: Esta xilogravura mostra uma multidão de vítimas do terremoto que vêm para se vingar de um namazu e seus filhos.

Namazue_historia_contada_por_xilogravura_milenar_gravura_contemporanea_8

Para a paz e tranquilidade: O deus Kashima e prostitutas do distrito da luz vermelha Yoshiwara, expressam sua raiva contra o bagre responsável por terremotos. Segundo o folclore japonês, esta xilogravura oferece proteção contra terremotos.

Namazue, O causador de terremotos

Namazu salvadores: Nem todas as xilogravuras expressam negativamente os Namazu. Algumas xilogravuras como essa de cima, mostram o lado benevolente de namazu, onde eles são vistos resgatando pessoas dos escombros.

Namazue, O causador de terremotos. - Mitologia japonesa contada por xilogravura.

Namazue, O causador de terremotos. – Mitologia japonesa contada por xilogravura.

Namazu é apunhalado pelo deus kashima: Nesta xilogravura, Namazu é colocado sobre uma mesa gigante, após ser apunhalado na garganta pelo deus Kashima. A multidão está dividida em dois grupos. As pessoas na metade superior da imagem são rotuladas como “sorridentes” (aqueles que se beneficiam com o terremoto) e as pessoas no fundo são rotulados como “chorões” (aqueles que são prejudicados pelo terremoto).

O grupo superior inclui um carpinteiro, um estucador, vendedor de madeira, um ferreiro, uma cortesã de elite, uma prostituta, um médico e um agricultor. O grupo inferior inclui o dono de uma casa de chá, um vendedor de enguia, artistas diversos, tais como músicos, comediantes e contadores de histórias, um vendedor de produtos importados de luxo e um vendedor de diamantes.

Namazue, O causador de terremotos

Deus Kashima apreende o Namazu, usando a rocha kaname-ishi

Namazue, O causador de terremotos

O terremoto e um milhão de “orações”: Esta xilogravura, mostra bem o outro lado da moeda. Namazu, sentado em um rosário gigante, não deseja mais causar terremotos algum, porém, “adoradores” (comerciantes, como madeireiros e carpinteiros que lucram com o desastre) estão orando para ele agir novamente. Na parte superior da imagem, estão os fantasmas das milhares de vítimas perdidas por causa do terremoto.

Segundo o folclore japonês, a lenda sobre o Namazu tem várias versões. Em algumas delas, ao invés do Kaname-ishi, deus Kashima usa espada ou até um tipo de abóbora mágica para imobilizar o gigante causador de terremotos.

Há também muitas formas para interpretar a lenda, para uns, Namazu possui uma imagem destruidora, enquanto que para outros, ele representa proteção ou simplesmente um elemento de crítica social.

Entretanto, a imagem do Namazu a partir do período Edo (1603-1867) até os dias de hoje, é mais positiva no geral, sendo hoje associado a um período de grandes mudanças ou como alerta de que uma catástrofe está para acontecer.

Hoje em dia, os Namazus são muitas vezes representados como amuletos da sorte referentes à prevenção de catástrofes naturais, onde o Namazu aparece ilustrado de uma forma mais simpática. Muito interessante esses personagens do folclore japonês, não acham?

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.