Museu é o local ideal para quem deseja viajar nas férias de forma cultural. Para sair do convencional nada melhor que visitar museus especializados em gravuras ou estampas. Nós montamos um pequeno circuito dedicado a arte da impressão gráfica.

Podemos começar por um museu bem acessível, um pouco longe para muitos, mas bem mais perto do que os outros da lista.

Museu de Gravura de Curitiba

Museu de Gravura de Curitiba - PR

Museu de Gravura de Curitiba – PR

Inaugurado em 1989, o Museu da Gravura possui um acervo de mais de cinco mil obras de artistas brasileiros e estrangeiros. Em seu acervo constam criações de Picasso, Louise Bourgeois, Joel Shapiro, Brice Marden, Andy Warhol, Kiki Smith, Isabel Pons, Oswaldo Goeldi, Valtércio Caldas, Calasans Neto, Amilcar de Castro, Cildo Meireles, Antonio Dias, Anna Bella Geiger, Tomie Otake, Daniel Senise, Mira Schendel, Luiz Carlos de Andrade Lima, Poty Lazzarotto, Uiara Bartira, Denise Roman, entre outros.

O Museu da Gravura mantém um calendário anual de exposições temporárias de artistas brasileiros e estrangeiros que se expressam nas diversas técnicas da gravura além de abrigar mostras com obras do acervo. Foi palco de um dos mais importantes eventos do país – a Mostra da Gravura, que reunia os mais representativos nomes da gravura contemporânea.

AÇÃO EDUCATIVA
Desvendar a importância de construções no centro histórico de Curitiba ou saber detalhes de uma obra de arte no museu pode ficar mais fácil se você estiver acompanhado por mediadores que transmitam informações sobre esses temas durante as visitas. É esse o trabalho do grupo de Ação Educativa da Fundação Cultural de Curitiba.

Agende uma visita mediada:

VISITAS MEDIADAS
Museu da Gravura
Agendamento: (41) 3321-3275
Data: 3ª a 6ª feira
Horário: 9h às 12h e 14h às 18h
educativasolar@fcc.curitiba.pr.gov.br

 

Museu Casa da Xilogravura

Museu Casa da Xilogravura em Campos de Jordão

Museu Casa da Xilogravura em Campos de Jordão

Inaugurada em 1987, em Campos do Jordão, a Casa da Xilogravura é um museu particular instalado em prédio construído em 1928 que, anteriormente, abrigou o Mosteiro de São João, de freiras beneditinas e, hoje, é também a sede da Editora Mantiqueira. (O lucro da Editora é aplicado na manutenção do Museu). O Museu coleciona e preserva xilogravuras, isto é, gravuras feitas por meio da impressão sobre o papel (ou outro suporte) de uma matriz entalhada em madeira. Parte de seu acervo, que hoje conta com milhares de obras de mais de 400 xilógrafos, é exposta permanentemente ao público. A Casa da Xilogravura promove também palestras, encontros, cursos e outros eventos culturais, e oferece atelier xilográfico, oficina tipográfica e biblioteca especializada. Por disposição testamentária do fundador, o imóvel e o acervo do Museu serão legados à USP – Universidade de São Paulo, da qual a Casa da Xilogravura já vem recebendo alguma orientação técnica.

Endereço: Av. Eduardo Moreira da Cruz 295

Campos do Jordão Estado de São Paulo – Brasil

Telefone: (12) 3662 1832

Site: www.casadaxilogravura.com.br

E-mail: contato@casadaxilogravura.com.br

 

El Museo del Grabado Español Contemporáneo

El Museo del Grabado Español Contemporáneo

El Museo del Grabado Español Contemporáneo

O Museu de Gravura Espanhola Contemporânea foi inaugurado em 28 de novembro de 1992, com base em uma primeira doação composta por 1.350 obras gráficas de autores espanhóis contemporâneos de D. José Morales y Marín.

A Câmara Municipal de Marbella habilitou para o efeito o antigo Hospital  Bazán (um representante representativo da arquitetura civil renascentista da  cidade, datada do século 16 e localizado na mesma Cidade Velha de Marbella), declarou um Ativo de Interesse Cultural com a categoria de Monumento.

Desde a sua abertura, e devido ao desejo expresso de seu fundador, o Museu tem sido um centro de reflexão e ação sobre a arte em letras maiúsculas, mas também sobre a arte espanhola contemporânea e fundamentalmente o mundo da obra gráfica original: exposições, prêmios nacionais de gravura, oficina de gravura, conferências, bibliotecas especializadas, etc.

Atualmente, a Coleção  do   Museu da Fundação Espanhola de Gravura Contemporânea excede quatro mil impressões (3), abrangendo todos os tipos de tendências em uma tentativa contínua de englobar os autores mais significativos da cena artística espanhola contemporânea, o que favorece a renovação em curso Exposição nos quartos do Museu, como a capacidade do mesmo em exposições simultâneas fora do espaço. Ou expressar o desejo de seu fundador, o Museu tem sido um centro vivo de reflexão e ação em torno da arte  com letras maiúsculas, mas também especialmente na Arte contemporânea espanhola e fundamentalmente o mundo da obra gráfica original: exposições, prêmios nacionais para gravura, oficina de gravura, conferências, congressos, bibliotecas  especializadas, etc.

O trabalho do Museu de Gravura Espanhola Contemporânea foi distinguido, entre outros prêmios, com o Prêmio Nacional de Gravação, Real Academia de Belas Artes de San Fernando, Cálcografia Nacional em 2000, ou o Prêmio Descobrindo a Arte em 2010, premiado pela publicação homónimo, concedido por seu trabalho de proteção patrimonial. Composição de 1.350 obras gráficas de autores espanhóis contemporâneos de D. José Luís Morales e Marín doaram ao Museu 1350 obras em 1992, 28 em 1995 e 53 em 1998. No total, a doação do fundador e primeiro diretor do Museu foi de 1431 peças.

http://www.mgec.es/wp/

 

Museu Nacional del Grabado

Museo Nacional Del Grabado

Museo Nacional Del Grabado

O Museu Nacional de Gravação conta com 12.000 peças que incluem gravuras, livros ilustrados com obras originais, gravuras em madeira, aguafuertes, aquatints, pontas secas, linogramas, serigrafias, litografias e ferramentas de trabalho de artistas do século XIX até o presente.

O Museu é momentaneamente fechado por peças sobressalentes

Através das amostras, conversas e workshops realizados em diferentes espaços culturais do país, o Museu propõe disseminar, investigar e desenvolver a arte da gravura em todos os seus aspectos.

Carlos Alonso, Pompeyo Audivert, Georges Braque, Aida Carballo, Caribé, Salvador Dalí, León Ferrari, José Guadalupe Posada, Víctor Rebuffo, Luis Seoane, Sergio Sergi e David Alfaro Siqueiros são alguns dos nomes dos artistas que compõem o patrimônio do Museu , único em seu tipo na América Latina.

O Museu da Gravura foi fundado em 1960 com base na coleção privada de artistas Oscar e Irene Pécora, com o objetivo de trazer essa expressão popular de arte para todos os cantos do território. Ao longo dos anos, aumentou a sua coleta e realizou cada vez mais atividades para disseminar e promover a gravação no país.

Áreas
Biblioteca

A biblioteca do Museu Nacional de Gravação é especializada na arte da gravura.

Tem uma grande quantidade de livros, especializados nesta técnica e na arte em geral.

Museografia

A área da museografia reúne as exposições itinerantes do museu. O objetivo da área é a difusão do patrimônio patrimonial e mostrar a ampla gama de aspectos estéticos que inclui a gravura.

Conservação e restauração

A área de conservação e restauração implementa limpeza, manuseio, transporte, exposição e armazenamento do patrimônio do Museu. Realiza investigações documentais e de diagnóstico, ao determinar e realizar os métodos de conservação mais apropriados.

Imprensa e comunicação

A área trabalha na divulgação das atividades realizadas pelo Museu. Gerencie o correio institucional, as comunicações internas e o site.

Entre em contato:
mariaalicia.guzman@museodelgrabado.gob.ar 

diego.gonzalez@museodelgrabado.gob.ar

Extensão cultural

A área de extensão cultural desenvolve oficinas de gravura para crianças e adultos. Também realiza treinamento para professores de educação inicial.

 

Museo del Grabado – Fundação Goya

Museo del Grabado - Fundação Goya

Museo del Grabado – Fundação Goya

Goya e a Gravura

Goya se tornaria parte da História da Arte, e em um lugar proeminente, simplesmente com sua obra gráfica, isto é, com suas gravuras. Nestes, como nas pinturas que ele faz por si mesmo, por sua própria vontade (que não são feitas sob medida e onde a sua criatividade não é limitada), o pintor de Fuendetodos dará o melhor de si mesmo, com o máximo liberdade, o que o leva mais uma vez a se diferenciar completamente do resto dos gravadores de seu tempo, a maioria dos simples artesãos que usaram essa técnica como possibilidade de reproduzir uma imagem – geralmente feita à ordem – um certo número de vezes, obedecendo a maioria dos casos para critérios e demandas do mercado mais do que para postulados artísticos.

Goya, por outro lado, para quem a gravura começou como uma simples distração convalescente e um método para aprender com seu mestre (Velázquez), logo percebeu as possibilidades criativas da gravura, de tal forma que ele acabou se tornando o veículo ideal no qual ele deu rienda para seu mundo mais pessoal e subjetivo, sem restrições técnicas ou de conteúdo. Toda a sua obra impressa pode ser considerada como parte do “diário íntimo” que o pintor de Fuendetodos legou à posteridade, na qual demonstra a facilidade e singularidade com que se atreve a lidar com certos tópicos (alguns deles extremamente controverso), bem como a liberdade e o domínio com que ele é capaz de combinar as técnicas de gravura, drypoint, burin ou aquatint (fato incomum na época).

Os Quartos do museu

Localizado no número 3 da Rua Zuloaga, a poucos metros da Casa Natal de Goya, é o Museu da Gravura, inaugurado em abril de 1989. A criação deste Museu foi possível graças à generosidade de pintores que com a doação e o leilão de suas obras permitiram a aquisição de duas coleções de gravuras. Posteriormente, o Conselho Provincial de Zaragoza e a Câmara Municipal de Fuendetodos financiaram a restauração do edifício e sua transformação no atual Museu.

O Edifício

Para a construção do Museu de Gravação, uma casa típica do somontano aragonés foi recuperada, que foi desenvolvida em três andares: o piso térreo com o corredor, a cozinha, as unidades agrícolas e, na parte de trás, um pequeno pátio onde o poço está localizado; no primeiro andar, com quatro quartos e, finalmente, no segundo andar, ocupado pelo falso ou coberto (celeiro). A reutilização desta casa como museu foi realizada com a idéia geral de regular sua configuração original tanto quanto possível, bem como sua estrutura e tipologia. As escadas do edifício reconstruído foram mantidas, e para a obtenção de espaços mais amplos, as poucas partições existentes foram eliminadas. Da mesma forma, por razões de funcionalidade, os pavimentos de gesso foram substituídos por tobas de cerâmica, e as paredes foram pintadas e pintadas.

https://fundacionfuendetodosgoya.org/museo-del-grabado/

 

La Fundación Rural Artes

La Fundación Rural Artes - Espanha

La Fundación Rural Artes – Espanha

A Fundação das Artes Rurais encontra-se no Museu de Gravação, localizado na cidade de Artes, município da Ribeira, na província de A Coruña. Rodeado por uma paisagem natural espetacular, a Fundação colocou um dos projetos mais inovadores para diletantes, estudiosos e fãs do mundo das artes, mais especificamente da Arte Gráfica, criando um espaço único na área que combina arte gráfica antiga e contemporânea.

A estruturação do Museu centra-se em dois aspectos principais: Gabinete de Imprensa (devidamente encomendado pelas Escolas, além de seus estudos privados) e três Salões de Exposições abertos ao público, com espaço para Biblioteca e Sala de Conferências.

A Fundação Museu das Artes centra-se na coleta, catalogação, estudo e divulgação de arte gráfica desde suas origens até nossos dias. É por isso que ele hospeda muitas técnicas artísticas que operaram a partir do século 15 até o presente, justificando o seu nome: Da gravura à impressão digital.

Através das Ordens da Xunta de Galicia de 18 de julho e 30 de julho de 2001, publicado no Diário Oficial da Galiza de 29 de julho em 3 de setembro de 2001, a Instituição é classificada como de interesse cultural e interesse galego, respectivamente , tendo sido registrado sob o nº 2001/19.

Empréstimo de construção

A Fundación Rural Artes possui uma vasta coleção de obras que vão desde o século XV até a era atual. Esses trabalhos são oferecidos em roaming sob a forma de um empréstimo para as entidades interessadas. As coleções que estão em empréstimo são as seguintes:
– Os Caprichosos Sonhos de Pantagruel em Imagens de Salvador Dalí
– Estudos e Imagens na gênese de Guernica. Picasso, a violência como assassino da criatividade artística.
– Dile’s Divine Comedy. O Inferno em imagens de Salvador Dalí
– As Fábulas da Fontaine de Salvador Dalí
– Temas de Marc Chagall
– Emoções de Oswaldo Guayasamín Calero
– A Tauromaquia de Goya, visão crítica de uma festa
– Manuel Ayaso
– A iconografia de Van Dyck
Para informações adicionais, você pode escrever para a fundação ou entrar em contato por email: fundartes@gmail.com

Sistema de Bolsas de Estudo

O acordo é assinado com a Universidade de Santiago de Compostela e visa colaborar no treinamento prático de estudantes nos últimos anos da Universidade.

http://www.fundartes.com/

 

National Museum of Engraving

La Calcografía Nacional - Madrid

La Calcografía Nacional – Madrid

A Calcografía Nacional foi criada em 1789 para realizar importantes projetos de gravuras surgidos no âmbito da política esclarecida. Reúne um extraordinário conjunto de placas gravadas pelos artistas espanhóis mais importantes, formando uma das maiores e melhores coleções de matrizes chalcográficas no mundo. Seu principal tesouro são as placas de cobre gravadas por Francisco de Goya, obras-primas da história universal da gravura.

A Real Calcografía foi criada em 1789 com o objetivo de centralizar as ordens exigidas pelo governo através dos diferentes Secretários do Estado. Tinha sua origem no plano de gravadores do rei escrito por Manuel Monfort em 1788. Monfort levantou a necessidade de um estabelecimento fixo, anexado à Real Press, para reduzir os preços excessivos pagos aos trabalhadores de Madri pela impressão de pedidos Regios

A idéia foi frutífera sob a proteção do Conde de Floridablanca. Dois tórculos foram colocados na sede da Real Press, começando o carimbo de lençóis. A primeira saída de impressão da Calcografia tórculos foi o Retrato de Floridablanca , gravada por Joaquín Ballester, desenhada por Ángel Bueno.

Nicolás Barsanti, gravador de origem romana estabelecido na Espanha desde 1778, foi nomeado primeiro diretor da Real Calcografía. Ele foi encarregado de coletar e manter as folhas espalhadas pela imprensa de Madri para ilustrar as publicações patrocinadas pela Monarquia, bem como para imprimir as novas que foram gravadas ou foram adquiridas. Por iniciativa da instituição recém-criada, os portais e as efígies dos reis foram encomendados para o Guia de Estranhos e os Retratos da série de ilustres espanhóis. Outra missão assumida pela Barsanti foi a supervisão e custódia dos vouchers reais e notas bancárias do Banco de San Carlos. Com a sua morte em 1815, o fim de um estágio brilhante na história da calcografia, caracterizado pelo estabelecimento das bases para a divulgação e proteção da arte do selo.

http://www.realacademiabellasartessanfernando.com/es/calcografia-nacional

Museum of Typography

Museum of Typography - Grécia

Museum of Typography – Grécia

A história do Museu da Tipografia está intimamente ligada à história do jornal Haniotika Nea.

Já no início dos anos 60, o fundador do jornal Yannis Garedakis começou a trabalhar como jornalista no jornal histórico de Hania Paratiritis e no jornal de Atenas Vima, enquanto ao mesmo tempo era membro da equipe jornalística que cobriu os jornais da Lambrakis Press Company em Creta há 20 anos. Em 1967, em um período difícil para os jornais, Haniotika Nea foi publicada pela primeira vez.

Nas palavras de Yannis Garedakis:

“Eu ainda era um jovem quando entrei no campo da imprensa regional, trabalhando para o jornal histórico Paratiritis, fundado pelo grande estadista cretense Polychronis Polychronidis. Não por escolha, devo acrescentar. Não me arrependi disso. Na verdade, posso dizer honestamente que eu era bastante afortunado.

Lá estava, de repente, dentro de um porão, encerrado em uma esquina, preparando transcrições de notícias – você vê, não havia agências de notícias, sem Internet, etc. na época – e faz correções. Do outro lado da sala, em frente aos bancos de composição, os tipógrafos montaram o tipo, letra a letra, compondo o texto.

Permanecendo durante horas, quieta, como se estivessem participando de um ritual sagrado, organizaram cartas com a vara de composição que formava frases, depois as galeras com textos completos e, finalmente, as páginas do jornal.

Cansado, mas orgulhoso, no final do dia. Último toque em seu trabalho – para mim, foi uma espécie de acariciação da placa tipográfica, antes da impressão começar.

Todos esperam a primeira página, a segunda e a terceira … Para pegar o jornal às três ou quatro da manhã e depois ir para a cama. Esgotado, mas ao mesmo tempo claramente satisfeito.

Alguns anos depois, essas imagens vieram à mente quando eu comecei a publicar Haniotika Nea com a ajuda de alguns amigos.

Impressoras e operadores de Linotype, trabalhando juntos em porões escuros e galpões, estavam lutando por todas as formas de publicação.

Com amor e respeito pelos objetos sem vida de seu trabalho …

Esses objetos tipográficos, máquinas de impressão, tipógrafos e operadores não devem ser esquecidos.

Objetos e máquinas devem ser mantidos, a memória dos tipógrafos e operadores deve ser honrada: esse foi o primeiro pensamento que me veio à mente.

A idéia para a criação de um Museu de Tipografia começou a girar em minha cabeça há cerca de três décadas.

Os anos se passaram e o jornal floresceu economicamente graças aos seus leitores e clientes publicitários. Nesse ponto, iniciou a busca no maravilhoso mundo da tipografia e do povo e da jornada que conduz à base do Museu. Esta missão, é claro, não teria chegado ao seu destino se não fosse por Michalis Grigorakis, meu velho amigo e parceiro, que compartilhou meu sonho e se juntou a mim nesta jornada “.

Gradualmente, começamos a colecionar máquinas de impressão e outros artefatos relacionados à arte da tipografia, um processo que levou ao nascimento do Museu da Tipografia, dirigido pelo jornal Haniotika Nea. O Museu foi inaugurado em maio de 2005.

Para a realização e evolução do Museu da Tipografia, foram importantes as contribuições de Mihalis Grigorakis, durante anos responsáveis ​​pelo arquivo “Haniotika nea”, Koula Kampani, arquiteto, Cornelius Schenk, antiga impressora da Holanda, Antonis Papantonopoulos, impressora – designer gráfico, Yiorgos Maroulosifakis, ex-impressora – jornalista, Nikos Kosmadakis e Eleni Stavridi, designers gráficos, Myrto Kontomitaki, museologista, Manolis Garedakis, editora de “Haniotika Nea” e Elia Koumi, diretora do museu.

Em 2012, o encontro com o tipógrafo Antonis Papantonopoulos e a posterior aquisição de suas duas notáveis ​​exposições sobre a História da Escrita e o Desenvolvimento de Tipografia e Artes Gráficas levaram à criação de uma nova ala, que dobrou o tamanho do Museu e forneceu muitas novas exposições.

A coleção do museu é constantemente enriquecida com as doações de exposições importantes e a oferta de expertise e serviços, por pessoas de toda a Grécia.

http://www.typography-museum.gr/home-en/

 

Museo Nacional de la Imprenta y la Obra Gráfica

Museo Nacional de la Imprenta y la Obra Gráfica

Museo Nacional de la Imprenta y la Obra Gráfica

O Museo Nacional de la Imprenta y la Obra Gráfica está localizado dentro do Real Mosteiro de Puig Santa María, no município de El Puig na província de VaLência na comunidade Valenciana.

O Museu Nacional de Impressão e Trabalho Gráfico da Puig é o mais importante em Espanha e o segundo na Europa.

Neste museu podemos descobrir a importância da Comunidade Valenciana em termos de introdução de papel e impressão em Espanha, bem como as contribuições culturais e econômicas que isso envolveu e a importância da impressão para o desenvolvimento da Espanha.

Este museu foi recentemente renovado, e agora podemos ver dentro de lá prensas de madeira, moldes tipográficos, máquinas, documentos, etc.

Dados de interesse:

Endereço: Real Mosteiro de Puig de Santa María, El Puig – Valência.
Horário: De terça a sábado das 10:00 às 14:00 e das 16:00 às 18:00, aos domingos e feriados das 10:00 às 14:00, fechado segunda-feira.
Admissão: grátis.

Como chegar lá:

Para chegar ao Museu Nacional de Impressão e Trabalho Gráfico, é aconselhável alugar um carro na província de VAlência para dirigir-se ao município de El Puig, o que podemos fazer facilmente pela auto-estrada do Mediterrâneo (saída 21) ou pela A-7 (saída 14). Uma vez dentro do município, devemos ir ao Real Monasterio, que está localizado em frente à rua Glorieta de Monestir.

Também é possível passar pelos transportes urbanos, já que existe uma parada de ônibus na avenida da beira do rio Puig, em frente ao mosteiro.

 __________

Caso você conheça algum museu dedicado a gravura no envie um e-mail avisando que adicionamos no artigo. comercial@galeriadegravura.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published.