Paulo Augusto Pasta (Ariranha SP 1959). Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Gradua-se em artes plásticas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP, em 1983. Estuda desenho e gravura em metal com Evandro Carlos Jardim (1935). Faz cursos de litografia e serigrafia com Regina Silveira (1939) e pintura, com Donato Ferrari (1933) e Carmela Gross (1946). Atua como arte-educador na Pinacoteca do Estado de São Paulo – Pesp, entre 1983 e 1985. Cria obras abstratas nas quais utiliza uma gama cromática reduzida, explorando variações tonais. Em 1984, realiza sua primeira exposição individual na Galeria D. H. L., em São Paulo. Recebe a Bolsa Emile Eddé de Artes Plásticas, em 1988. Tem relevante atividade docente, lecionando pintura na Faculdade Santa Marcelina – FASM, entre 1987 e 1999, e desenho na Universidade Presbiteriana Mackenzie, entre 1995 e 2002. É professor da Fundação Armando Álvares Penteado – Faap, onde ingressa em 1998. Ministra ainda cursos livres em várias instituições culturais, como o Museu Brasileiro de Escultura – MuBE e o Instituto Tomie Ohtake – ITO. Em 1990, recebe o Prêmio Brasília de Artes Plásticas no Museu de Arte de Brasília – MAB/DF e, em 1997, o Prêmio Price Waterhouse – Conjunto de Obras, no 25º Panorama de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM/SP. Em 1998, é publicado o livro Paulo Pasta, pela Edusp. É mestre em artes plásticas pela ECA/USP, em 2002. Ilustra, entre outros, os livros Coração Partido – Uma Análise da Poesia Reflexiva de Drummond e Rocambole, ambos de autoria do crítico literário Davi Arrigucci Jr., publicados pela Editora Cosac & Naify, em 2002 e em 2005, respectivamente.

Comentário Crítico
A pintura de Paulo Pasta, na década de 1980, apresenta suaves passagens tonais e formas instáveis, indefinidas. Uma de suas principais referências, além da obra de Paul Cézanne (1839 – 1906) e Henri Matisse (1869 – 1954), é a pintura do artista norte-americano Jasper Johns (1930). Paulo Pasta, por meio de ligeiras arranhaduras na última camada de tinta da tela, cria formas que se aproximam às de frontões, ânforas e colunas. Essas imagens permitem uma referência ao passado, remetem ao campo da memória. Para o historiador da arte Rodrigo Naves, há nesses trabalhos um quê de nostalgia – eles procuram reatar com um tempo histórico, apontam para a lembrança de uma era sem fraturas, em que gestos individuais e significados sociais se relacionavam harmoniosamente. Há também nas obras do artista um jogo tonal, espécie de cor primeira que contém outras, que se insinua insistentemente, mas os tons e as pinceladas obedecem apenas ao equilíbrio interno da obra.

Como aponta o crítico Alberto Tassinari, no começo da década de 1990, seu trabalho modifica-se: grande parte de suas pinturas tem como motivo algo que lembra um chão ladrilhado com cacos. Esses quadros não levam o olhar do espectador para o horizonte, mas o remetem a obstáculos e a um espaço que não se deixa ver com nitidez. Em trabalhos iniciados em 1994, apresenta mais contrastes de cor, o espaço se amplia e as estruturas tornam-se mais ordenadas. Permanece porém a atmosfera espessa, a densidade das pinturas anteriores. Em 1996, o artista plástico Nuno Ramos (1960), ao comentar as obras de Paulo Pasta apresentadas em exposição individual na Galeria Camargo Vilaça, em São Paulo, ressalta a luminosidade intensa dos quadros que realça as diferenças de tom e cor, luz e sombra, superfície e profundidade, ao mesmo tempo em que paradoxalmente equilibra o conjunto da pintura.

A pintura de Paulo Pasta, para Naves, propõe ao observador uma experiência: ela porta uma espécie de vagar, pede uma suspensão temporal para que o olhar possa se deter morosamente pelas passagens tonais e pelas formas, em lento movimento de diferenciação.

http://www.gravura.art.br/artistas/paulo-pasta.html

 

 

 

 

http://www.gravura.art.br/artistas/paulo-pasta.html

About The Author

Leave a Reply

Your email address will not be published.